O que aprendemos com as mulheres poderosas e influentes da história

Mulher não podia votar, sair sozinha de casa, participar de decisões importantes, estudar, sair para trabalhar, ter cabelo curto… Ao longo das últimas décadas, mulheres poderosas e corajosas dedicaram suas vidas para mudar essa realidade.

Foi por causa da ação e dedicação delas que hoje sabemos o que é liberdade e o direito de sermos quem somos. E ainda continuam, em várias partes do globo terrestre.

Elas lutaram pelas gerações futuras; para que vivêssemos a vida que temos hoje.

Conheça 13 mulheres que mudaram o rumo da história e nos trouxeram trabalho, estudo, liberdade e autoestima.

Madam CJ Walker, mulher que revolucionou a autoestima das mulheres negras – Imagem: Culture Trip

Mulheres poderosas: a força do feminino

Líderes, guerreiras e heroínas. É assim que definimos as mulheres que causaram transformações mundiais e as que causam diariamente em seus contextos sociais (no trabalho, em casa ou com amigos).

Juntas formamos histórias de superação, força, dedicação, luta contra adversidades e contra a própria imagem distorcida que vemos no espelho.

As histórias que nos cruzam são uma prova de que temos lições importantes para compartilhar:

1 – Precisamos falar sobre o que nos limita. Esraa al-Shafei fundou plataformas digitais com o intuito de dar visibilidade e representatividade para mulheres que vivem no Oriente Médio e Norte da África;

Esraa al-Shafei – Imagem: BBC News

2 – Nosso corpo é a nossa casa e precisamos nos sentir bem nele. Svetlana Alekseeva, modelo russa, passou por um incêndio que deixou queimaduras em várias partes do seu corpo. Hoje ela atua ajudando mulheres a se sentirem bem com suas cicatrizes;

Svetlana Alekseeva – Imagem: Corriere

3 – A garra e força para realizar os nossos sonhos nos move. Kathrine Switzer, mesmo com os organizadores tentando impedi-la, foi a primeira mulher a correr na famosa Maratona de Boston;

Kathrine Switzer – Imagem: Marie Claire

4 – A liberdade das mulheres foi duramente conquistada e precisamos nos orgulhar muito disso. Querendo descansar e aproveitar a praia, Annette Kellerman foi presa em 1907 por “indecência” após sua aparição com roupa de banho em público;

Annette Kellerman – Imagem: História feminina

5 – O estudo é o que nos motiva e nos liberta cada vez mais. A paquistanesa Malala Yousafzai quase perdeu a vida lutando para conquistar o direito de estudar para as mulheres;

Malala Yousafzai – Imagem: Vogue

6 – Quanto mais conhecemos sobre a nossa história, mais sabemos quem nós somos e o que queremos para as nossas vidas. Carolina de Jesus, uma das primeiras autoras negras no Brasil, tinha nos livros um acalento para os dias e fases passando frio, fome e preconceito. Ela dizia que “nenhum homem entenderia sua necessidade literária”;

Carolina de Jesus – Imagem: Jornal Rascunho

7 – Devemos e podemos ter influência em decisões importantes, como o voto político. Komako Kimura lutou bravamente e esteve à frente da Marcha em Nova York, que concedeu o direito das mulheres ao voto nos Estados Unidos;

Kamako Kimura – Imagem: Wikipedia

8 – O melhor lugar para estarmos é onde sabemos que merecemos estar. Foi assim que Rosa Parks ficou conhecida após não aceitar se levantar de seu assento no ônibus quando um homem branco chegou. Ela tinha o propósito de deixar bem claro que todas e todos tinham seus devidos lugares;

Rosa Parks – Imagem: UOL

9 – Talento é para ser mostrado e disseminado. Nadia Comaneci fez história sendo a primeira mulher a conseguir nota 10 em uma participação nos Jogos Olímpicos. Seu nome é uma lenda de força e coragem de se mostrar ao mundo;

Nadia Comaneci – Imagem: El Pais

10 – Ser amada e ter uma maternidade consciente motiva muitas mulheres à uma vida mais próspera. Maria Lacerda de Moura, educadora em Minas Gerais, teve uma vida dedicada à causas sociais. O direito de ser amada e de ter uma maternidade consciente partiram dela;

Maria Lacerda de Moura – Imagem: Wikipedia

11 – O melhor visual é aquele que eleva a sua autoestima. Na década de 30, Patrícia Galvão era considerada rebelde e fora dos padrões porque usava cabelo curto e defendia o direito das mulheres da época de serem o que elas gostariam de ser;

Patrícia Galvão – Imagem: A Poesia do Brasil

12 – Beleza não é para poucas, mas sim para todas. Madam Walker foi a responsável por elevar a autoestima de mulheres negras a um nível nunca antes visto. Foi no início do século XX, inserida em um contexto de pobreza e sem higiene, que via seu cabelo cair constantemente por causa de infecções. Como era a dor de outras mulheres, estudou muito e lançou uma linha de produtos pensada e desenvolvida para cabelos afro. Foi revolucionário;

  1. Precisamos nos lembrar e estampar constantemente quem somos e o que queremos representar. O corte BOB é um ícone feminista que ultrapassa gerações. Utilizado por mulheres como Cleópatra, Coco Chanel e Beyoncé, ele fortalece a luta de mulheres contra padrões impostos acerca da feminilidade e sensualidade. O cabelo curto é um traço da quebra de padrão, versatilidade e liberdade que mais marcou a história.

E a lista continua… Essas são apenas algumas das mulheres que nos inspiram diariamente.

A realidade que vivemos hoje devemos a quem veio antes de nós. Sabemos que muitas liberdades vieram com muitas dores e mortes, mas que essas mulheres poderosas lutaram bravamente para que fôssemos exatamente o que gostaríamos de ser.

Mas claro que a luta continua. Por isso que diariamente levamos autoestima, saúde, conforto e longevidade para inúmeras mulheres de todo o país.

Com qual característica dessas mulheres poderosas você mais se identificou? Deixe o seu comentário abaixo para que possamos conversar 🙂

Com carinho,

Clorofitum.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *